30.04.2015

Uma carta para o meu eu do futuro

Uma carta para o meu eu do futuro

São Paulo, 30 de abril de 2015

Querida Bela,

Essas cartas tornaram-se recorrentes desde a 5º série… Eu sei, é um pouco assustador ter a cada um ano uma conversa com seu eu do passado.
Lembra-se da sua primeira carta? Vergonha alheia ao lembrar do que prometeu pra si mesma…
Depois que você descobriu o site future.me as cartas começaram a chegar com certa frequência… Sempre próximo de seu aniversário. Cartas pós términos traumático…
Bom, o intuito dessa carta é só deixar claro sua atual situação inferno astral pré 25 anos. Seis dias para completar 25 voltar completas no sol, é ainda mais assustador escrever uma carta para um eu com 35 anos.
As coisas não são mais ágeis e divertidas como eram a 10 anos atrás: você já não gosta mais de tomar bebidas alcoólicas como antes… Será que a vida depois dos 30 a fez voltar? Já não come nenhum tipo de carne animal por medo de doenças do século 21. A pele já não é tão firme, a reeducação alimentar não funciona mais tão facilmente. Os dias sem comer, ansiosa por coisas sem sentido voltaram.
Paixões? Por seriados e livros. Homens são difíceis demais. Você tá em uma fase que precisa se conhecer melhor. O mundo está em uma fase onde as pessoas já não são tão interessantes pra você. Uma dica: espero que todos esses devaneios e seletividade sumam depois dos 30. Não seja tão cruel consigo mesma.
Uma dúvida cruel ronda sua mente nesse momento: fazer ou não cirurgia pra reconstrução do lóbulo. Por um lado você quer consertar um pedaço do seu passado, por outro, quer continuar com sua personalidade. Tudo será decidido nos próximos meses.
Inclusive, a quantas anda sua situação de trabalhadora? Dando aulas ou resolveu dar-se ao seu lado artístico? Espero que ambos.
Espero que esteja cuidando mais do seu espírito, já que o medo da morte deveria dar espaço ao da felicidade dos pequenos momentos. Curta mais sua família. Viva um dia de cada vez.
Quando tudo te desmotivar, lembre-se da sua promessa Escoteira.
” Se você não vive para servir, não serve para viver.”

Com amor e carinho,
Bela (com quase 25)

Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais. Quer participar? Então faça parte do nosso grupo no Facebook.

Translate »