04.08.2016

Casa da Anne Frank – Amsterdam

Casa Anne Frank | A Bela, não a Fera

Enquanto estava na fila pra entrar na Casa da Anne Frank, eu escrevi uma puta postagem emocionante sobre a sensação de estar lá mas o app do WordPress simplesmente deletou ‘-‘

Então estou escrevendo um pouco depois da visita, com sentimentos um pouco mais calmos porquê olha, não foi fácil a visita.

Estudei sobre O diário de Anne Frank no Ensino Médio. Estudei na faculdade e por três anos estudei e reestudei diariamente pra poder ensinar os jovens que dei aula.

Deixei pra ir na exposição no último dia de viagem, nas últimas horas dia -BR sendo BR e fiquei bolada com a fila.
Casa Anne Frank | A Bela, não a FeraEra uma distância pequena que demorou uma hora – e eu jurava que demoraria mais. Fiz vídeo bem curtinho na fila e depois que saí da casa, vai pro youtube sexta-feira, não esquece, heim?!
Casa Anne Frank | A Bela, não a FeraEles dão um pequeno guia que dá uma resumida na história e mostra os lugares que você vai pisar.

Não tirei nenhuma foto dentro por ser restritamente fucking restrito. E também pra não cortar o barato de quem quer e/ou vai realmente visitar.

Otto Frank (pai da Anne) tinha duas empresas nesse lugar (Opekta e a Pectacon), compraram o prédio ao lado do escritório e deram continuidade ao museu. Então a Casa Anne Frank não é bem a casa dela, é o lugar em que ficava o Anexo!Casa Anne Frank | A Bela, não a FeraConfesso que não VI nada de muito extraordinário na parte do museu, além, óbvio, das páginas originais dos diários da Anne mas SENTI TUDO QUE PODIA TER SENTIDO ao andar os passos do escritório e depósito até chegar ao Anexo. Passar por trás da estante e caminhar, quarto por quarto, os mesmos passos que todos que ficaram escondidos lá.

Eu arrepiava a cada cômodo! Eles recriaram como cada cômodo era e colocaram um mini quadrinho (mini de verdade, tipo uns 30×30) com uma foto da recriação mais próxima do era.

Mesmo tendo lido o livro várias vezes, eu imaginei alguns detalhes bem diferentes, nossa mente sempre cria peças e é maravilhoso ver de perto o real, quando possível.

Os espaços que mais me emocionaram foi o quarto da Anne e o quarto do Peterporque né, shippo. Era uma sensação tão estranha de estar exatamente no mesmo lugar em que os ‘clandestinos’ estiveram antes de serem descobertos.

Sou daqueles seres que se transportam pra época e pro corpo das pessoas que estavam em certos lugares (tipo andando em Amsterdam e vendo as casas antigas, tortinhas e pensando como era na época em que foram construídas…).

Por mais que eu tente explicar como foi estar lá, não conseguiria. Só consigo dizer que as sensações falam mais alto do que o próprio museu em si, porque achei beem fraco, tinha muita coisa que você tem acesso na internet. Casa Anne Frank | A Bela, não a FeraA cara de cansada e derrotada depois da fila + chorar ao entrar no quarto da Anne/ver as páginas originais do diário. 

Quando saí da casa, comecei a pensar em algo que eu nunca tinha cogitado: se a Anne, a irmã e a mãe morreram em campos de concentrações, o pai morreu nos anos 80… Quem tem direito ao museu/casa?!  Depois de uma hora de pesquisa, descobri que por enquanto… Não pertence a ninguém. Triste 🙁 O valor deveria ser revertido para fundos de ensino ou algo do tipo.

O valor do ingresso é 8€ por pessoa. 

Na saída tem uma lojinha, com livros em vários idiomas, cartões postais – que eu comprei um com a imagem da capa do primeiro diário da Anne *-* -, materiais didáticos…

Cris Toala Olivares/Anne Frank House

Cris Toala Olivares/Anne Frank House

BEDA 2016

  • Adriel Christian em 04.08.2016

    oi, oi.

    menina, to aqui emocionado com esse post, principalmente por vc ter realizado esse nosso sonho. sempre quis conhecer de perto a casa de Anne, mas, né, me falta $$. eu imagino o quanto tu deve ter se emocionado. comigo não seria diferente. <3

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    Responder

  • Marcela em 04.08.2016

    Nem li o livro ainda (tô pra ler há tipo 10 anos), mas bateu fortíssimo a bad aqui. Do jeito que eu sou, eu também ia chorar que nem coitada dentro do museu.

    Responder

  • Isabela Carapinheiro agosto 17th, 2016

    Leia, humana. Essa é uma ordem.

    Responder

Translate »