15.09.2016

Resenha: Hermann Hesse Para Desorientados

hermann_hesse_para_desorientados

Hermann Hesse Para Desorientados

Autor: Allan Percy
Ano: 2013
Editora: Sextante
Páginas: 128
Mais informações: Skoob (3,6)

Sinopse: Hermann Hesse para desorientados é um manual inspirador para os leitores que buscam serenidade e orientação para lidar com as complexidades da vida. Um dos escritores de maior influência no século XX, Hesse foi referência espiritual para várias gerações. Sua clareza de pensamento, seus princípios morais e seu profundo conhecimento da alma humana ficaram imortalizados em obras como Sidarta, Demian e O lobo da estepe. Neste livro, Allan Percy se debruça sobre os textos do premiado autor alemão e apresenta 66 máximas que tratam de temas como autoestima, felicidade, autoconhecimento, busca por aceitação, sucesso e realização pessoal.Hermann Hesse Para Desorientados | A Bela,não a Fera

Como falei na resenha do Oscar Wilde para Inquietos, o primeiro livro que li dessa coleção foi o Nietzsche para Estressados, que um amigo emprestou. Fiquei tão apaixonada, que comecei a colecionar o restante dos livros. Escolhi comprar o Hermann Hesse para Desorientados em uma época em que eu estava realmente na tal sinuca de bico: não sei se ia pra frente, esperava alguma coisa acontecer ou sentava e chorava.

O livro é um tipo de auto ajuda mas você esquece desse detalhe á medida que você vai lendo já que o autor expõe pensamentos e máximas do filósofo Hermann Hesse – e de outros escritores,  relacionando com nossos problemas diários.

Algumas frases: 

” Esperar passivamente em meio ao fogo é muito mais difícil do que atacar. “

” Há aqueles que se consideram perfeitos, mas é só porque exigem menos de si mesmos.”

” Uma meta alcançada não é uma meta.”

” O homem exige a felicidade mas não a suporta por muito tempo.”

O livro todo é uma forma de cutucão de alguém de fora da sua caixinha. Quando você lê a frase temática do capítulo, algo vem em sua mente e algumas coisas que Allan Percy citou, nem passavam pela sua cabeça.

No capítulo 18, por exemplo, a frase temática é:

” Todo indivíduo deve alguma vez dar o passo que o afasta de seu pai, de seus mestres; todo indivíduo deve experimentar a dureza da solidão, apesar de a maioria das pessoas possuir pouca capacidade de resistência e voltar logo ao seu refúgio. “

Duas coisas que gosto nesse capítulo e me remetem a passagens da minha vida é que no dia que viajei, enquanto esperava o embarque, enviei para meu pai um vídeo que eu tinha gravado no dia anterior lendo esse capítulo( com os olhos cheios de lágrimas e tentando fazer com que voz não falhasse). Eu e meu pai sempre tivemos essa coisa de ter conversas filosóficas sobre a vida e a busca da felicidade.

Acabei deletando meu vídeo do celular mas tá aqui o áudio do meu véinho respondendo.

E a segunda coisa, é que muitas pessoas da minha idade, e algumas mais velhas, batem palmas para mim por ter decidido vir pra um país tão distante e por continuar aqui, pelo menos até agora. Logo em seguida, escuto sempre a frase ‘eu não teria coragem de fazer isso…‘. Dizem que são apegados á família, ao cachorro, ou o namorado não gostaria de ir… Coisas do tipo.

Nossos pais e mestres nos ensinam hábitos e ideias, deles, claro mas está em nossas mãos fazer ou não. Vivenciar tudo o que está escrito em livros. Deixar a teoria da vida pra outra aula e ir para a prática. E na prática, não tem pra onde correr –no meu caso, voltar pro Brasil, choramingando porque o arroz queimou. É você e o fato de que existe uma decisão a ser tomada no momento. Hermann Hesse Para Desorientados | A Bela,não a Fera

PARTE GRÁFICA / EDIÇÃO

Cada capítulo toma uma página, no máximo duas, com o decorrer dos pensamentos do escritor. As letras são grandes e de fácil leitura. É meio um ‘abra em uma página aleatória e leia o conselho’, sabe?!

CAPÍTULO SOBRE HERMANN HESSE

Diferente do livro Oscar Wilde para Inquietos,  o autor cria apenas uma Cronologia da vida de Hermann Hesse citando fatos em certos anos, desde seu nascimento em 1877, na Alemanha, até sua morte em 1962, na Mongólia.

Eu teria gostado mais se fosse contando a história e realizações do filósofo alemão e não faço ideia porque foi decidido fazer a cronologia. Talvez seja para seguir a mesma quantidade de páginas dos outros livros (?) e então Allan Percy reduziu o que deveria ser dito sobre HesseColeção Allan Percy - Sextante

Mais livros da Coleção (Resenhas)

  • Einstein para Distraídos
  • Kafka para Sobrecarregados
  • Nietzsche para Estressados
  • Platão para Sonhadores
  • Oscar Wilde para Inquietos

Obs: Tenho o Oscar Wilde, Herman, Kafka e Nietzsche em PDF, se alguém tiver o interesse, me chama inbox no facebook ou me manda um email que compartilho com todo amor e carinho ♥

  • Paula Reggiori em 15.09.2016

    Eu quero os pdfs! Fiquei louca para ler isso!
    To perdida no universo haha preciso de mais introspeção na vida!

    Um beijo,
    Foca no Glitter

    Responder

  • Isabela Carapinheiro outubro 2nd, 2016

    Posso te mandar os ebooks por email :3

    Responder

  • Carol em 15.09.2016

    Oi Bela,
    Agora que percebi o nome de cada livro fiquei interessada no do Einstein e de Platao kkkk Acho que mais Platao por conta de ser um tanto sonhadora com as coisas da vida.

    Gosto de suas resenhas porque elas não são simplesmente o que tem no livro e blablabla… elas sempre ensinam algo, dão um puxão de orelha ‘delicado’ e nos fazem ter algo a pensar por horas, dias..

    E o casorio? Saiu? kkkkkk

    Beijokas

    Responder

  • Isabela Carapinheiro outubro 2nd, 2016

    Eu gosto de dar o meu toque especial nas resenhas pq se eu começar a falar de análise do discurso o povo dorme HISUHAUISHUIHAUIH
    O casório sai logo logo!

    Responder

Translate »