25.11.2016

Resenha: Sete Histórias de Pescaria do Seu Vivinho

Sete Histórias de Pescaria do Seu Vivinho | A Bela, não a Fera

 Sete Histórias de Pescaria do Seu Vivinho 

Autor: Fábio Sombra & João Marcos
Ano: 2011
Editora: Abacatte
Páginas: 67
Mais informações: Skoob (4,8)

Sinopse: As mirabolantes histórias do seu Vivinho surgiram, inicialmente, para serem publicadas em forma de folhetos de cordel. Um feliz encontro entre o cordelista Fábio Sombra e o quadrinista João Marcos em 2010 acabou mudando o rumo das coisas. Numa mesa de restaurante, no intervalo de suas apresentações no Circuito Literário da cidade de Contagem, Minas Gerais, surgiram as primeiras conversas que acabariam por definir os rumos desta parceiria criativa. Os casos do velho pescador ganharam uma linguagem visual elegante e livremente inspirada na estética das xilogravuras. No entanto, a narrativa e os diálogos preservaram a métrica e as rimas do texto original em um notável trabalho de adaptação e harmonia entre duas linguagens diferentes – a do Quadrinho e a do Cordel.

Sete Histórias de Pescaria do Seu Vivinho | A Bela, não a Fera

Primeiro, deixa eu te situar: Cordel é um gênero literário escrito frequentemente na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos. Tudo começou no século XVI, quando o Renascimento popularizou a impressão de relatos orais.  O Cordel é famoso no Nordeste do Brasil mas existe no Rio de Janeiro a Academia Brasileira de Literatura de Cordel.

Conheci a literatura de Cordel com meu pai e as viagens mirabolantes dele pro nordeste. Ele trouxe alguns dos folhetos que encontrou em feiras livres por lá e disse que eu me interessaria.

A forma que o Cordel é ilustrado é chamado de Xilografia. A Xilografia é uma técnica chinesa. Nada mais é do que a impressão de desenhos feitos na madeira, sendo talhados com as imagens desejadas e depois, com tinta sobre, carimbam o papel.

Tanto o Cordel, quanto a Xolografia tomaram um espaço na minha vida juntamente com a faculdade de Letras. Queria aprender mais sobre toda cultura brasileira. Nessa mesma época, fiz um curso de Xilografia na Oficina Oswald de Andrade, em São Paulo.

Agora que estão entendidos do assunto, vamos falar mais sobre o livro. Sete Histórias de Pescaria do Seu Vivinho | A Bela, não a Fera

O personagem principal é um senhor chamado Vivinho. Seu Vivinho é um contador de lorota da melhor qualidade ( tendo uma fama de mentiroso).  Tipo agradável, com aparência de bom velhinho e personalidade otimista. Está sempre de bom humor, adora contar suas histórias recheadas impossibilidades mas a graça está exatamente ai.

Mas Clerisvaldo, um moço que mora na cidadezinha, sempre duvida de tudo que Vivinho fala e está sempre tentando desmascará-lo, provocando debates cheios de humor e contradição entre ambos.

A famosa expressão “histórias de pescador”  acredito que todo mundo já conheça do tanto gera causos quando exagerados mas, acredite, a melhor história é a da cobra que gosta de chocolate.

A estrutura rimada e compassada de todo o texto atraente o leitor.

As ilustrações ajudam mais ainda a criar um contexto divertido. O desenhista caracteriza muito bem os personagens seguindo suas personalidades. Vivinho como o bom tipo, mesmo mentiroso, mas que agrada aos ouvintes, com traços mais circulares e fofos, já Clerisvaldo, sempre contestador, com seus modos mais resmungam e cheio de traços retos.

No final, ainda temos a contextualização de cada tipo de peixe que aparecem nas histórias. Assim como uma página só para desvendar a verdade de um mistério misterioso, já que o título fala em sete histórias, mas que na verdade são oito: ou seja “é coisa de mentiroso”.

Esse livro veio para algumas escolas da rede estadual para tentar aproximar os jovens á ler e talvez, até se interessar em conhecer novos gêneros literário.

Eu adoraria que o Cordel fosse mais conhecido pelo Brasil por ser uma forma de expressão oral e impressa rica da nossa cultura.

E você, o que achou? Já conhecia a Literatura de Cordel ou sobre Xilografia? 


  • Mandy em 25.11.2016

    Ooi Bela, tudo bom??
    Lembro que estudei sobre o Cordel e li alguns na escola, mas não sabia que eram feitos na xilografia, que demais! Adorei essa resenha super educativa SHUASHA Sobre o livro, parece ser muito divertido pelas rimas,
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    Responder

  • Conhecendo Novos Blogs – United Blogs – Guria Antenada em 25.11.2016

    […] Sete histórias de pescaria seu vivinho de A Bela, não a Fera – Link http://abelanaoafera.com.br/2016/11/resenha-sete-historias-de-pescaria-do-seu-vivinho/ […]

  • Stefanie em 25.11.2016

    Adorei esses livrinhos, é muito dificil ver alguém indicando a Literatura de Cordel hoje em dia. Eu queria ter tido mais acesso na época da escola, pois acho uma expressão artística muito bonita, principalmente junto com a Xilografia.

    Acho que vou dar uma fuçada por ai para ver se acho esse que você falou, adorei a resenha.

    http://www.sakurys.com

    Responder

  • Solange Antuano em 25.11.2016

    O livro é uma mistura de Cordel e Quadrinho que resulta em:Duvidas,Risos,Intrigas; E é só lendo que você descobrirá algo mais sobre ele.
    Nós adoramos e recomendamos esse livro para todos.

    Responder

  • Isabela Carapinheiro janeiro 11th, 2017

    Siim! <3

    Responder

Translate »