13.03.2017

Entre crises de pânico e perguntas freqüentes

Particularmente, não me acho uma pessoa tão interessante. Tracei certos caminhos devido á escolhas bem feitas – e outras nem tanto, que me levaram á lugares maravilhosos e outros, me empurraram para longe do que meu interior anseia –e que nem eu mesma sei o que é ainda.

Tenho recebido muitas perguntas pelas redes sociais por causa do meu sumiço –DE APENAS 12 DIAS– e sinto-me na obrigação de explicar o que acontece.

Eu sendo o ser que sou, não consigo fazer um post sem uma dose de amor e positividade, então aproveitei para responder outras perguntas que recebi.

Então senta aqui, pega essa almofada e conheça um pouco mais da Bela, não a Fera.

Estou tendo crises de ansiedade e de pânico e não é tão romando e lindo como no tumblr.

Sempre tive ansiedade: da batata gratinada acabar, do filme acabar, da minha leitura atual acabar e o dia acabar, assim o mês, o ano e a vida. Sem que eu fizesse algo especial nessa vida. Já fiz longas conversas com meu interior e o mais próximo do que cheguei de uma resposta, é que em outra vida, fui famosa ou notável na sociedade, e nesta, preciso fazer algo para deixar de legado. Só não sei o que é.

Diante de toda cobrança -minha para comigo mesma, da mudança drástica de ares, vivênciei, até o momento, quatro sufocantes ataques de pânico, coisa que eu pensava que só acontecia com qualquer outra pessoa, menos comigo. Sempre cuidei tanto da minha mente, que nunca imaginaria que aquela manhã, que senti falta de ar, ânsia de vômito, soadeira, vertigem, confusão e dormência do lado esquerdo, fossem sinal do meu corpo, pedindo calma. Até alguns dias atrás, achava que era começo de AVC, mesmo com os médicos afirmando o estresse.

Não bastante em acontecer uma vez, poucos dias depois mais um ataque e no último sábado, dois ataques em menos de 20 minutos dentro da sala de cinema.

Comentar sobre o assunto não é o bastante quando os ouvidos dos outros não se interessa por isso, afinal, o importante nesse momento é o consumismo, é comprar comprar comprar e mostrar para os outros.

Aos Deuses tenho a alegria de agradecer por ter um homem tão compreensível ao meu lado, que para tudo o que está fazendo para me abraçar e dizer que tudo vai ficar bem.

E é dele que tirei forças hoje para vir escrever e responder as perguntas para vocês!

Q&A

  • Você já é cidadã finlandesa? 

Você só se torna cidadão finlandês, ou cidadão de países da Europa, depois de 5 anos com visto contínuo ☺

  •  Tá sentindo falta do Brasil? E do calor? 

Do país, em si, não sinto falta. Sinto falta de quem deixei. E dos rolês. 😆

  • Você já aprendeu a falar finalndês? 

Ei! Minä en puhu suomea! Só entendo algumas palavras e sei explicar que não sei o idioma ainda, ehe.

  • Os homens finlandêses são mais carinhosos que os brasileiros?

Essa é uma pergunta que eu nunca saberei responder em uma pluralidade, já que eu só conheci um homem finlandês e ele é pura magia. E meu. 🤓

  • Porque está sofrendo de ansiedade? 

Para uma pessoa que trabalhava e fazia tudo sozinha, ficar em casa por 10 meses (me pergunto como algumas pessoas fazem isso a vida toda🤔) e depender de tradução do Antti ou do celular para algumas coisas é foda de se lidar. Além da permissão de residência que completou seu 5º mêsaniversário -assim como o nosso, de casados! e nada de sair…

  • Como você lida com a ansiedade?

Não lido. Tento algumas táticas diferentes tipo respirar fundo e acalmar os batimentos cardíacos. Faço alguns exercícios com a bola de pilates, limpo algum cômodo da casa (fazer coisas que precisam de atenção ajuda a acalmar!), canto ou pinto ou leio algum livro.

  • O que você come aí?

Não são mais os mesmos alimentos todos os dias, tem que ter uma puta criatividade por causa da inexistência de algumas coisas e pelos preços salgados de outras. A batata é a base da nossa alimentação aqui em casa mas também comemos arroz, macarrão, broculis, espinafre, muita banana, uva e kiwi!

Confesso que não tenho nenhum post programado para os próximos dias -mesmo com várias ideias anotadas no papel – e estou bem com isso, aceito que a minha pegada de escrever diminuiu um pouco porque não quero escrever coisas tristes que ninguém lê (tipo o blog da amiguinha que faz contos lindos mas você não tira cinco minutos para apreciar). Assim como o Youtube está a todo vapor com o VEDA e sei que vocês vão adorar.

Respira fundo, aqui comigo, que tudo ficará melhor. 

Se tiverem mais alguma pergunta pessoal, aproveita para deixar aqui!

  • FERNANDA LUCENA em 13.03.2017

    Oi Isa
    Desejo muita paz, tranquilidade pra vc!
    Que essa ansiedade passe (ou diminua)!
    Sentindo falta dos seus posts!!!

    Eu li tudo hein?!
    kkkkkkkkkkkkkk

    Bjoooos

    Responder

  • Lilian da Silva Cardoso em 13.03.2017

    Oi Bela! Tudo bem contigo?
    Eu sei o que é sofrer com ansiedade pois sofro com isso desde a infância. Pra se ter uma ideia, quando tinha 7 anos fui pela primeira vez ao Hopi Hari. E eu estava tão, mas tão ansiosa, que quando cheguei lá comecei a vomitar e a passar muito mal mesmo. Resultado? Fiquei metade do dia na enfermaria.
    Hoje eu tento controlar e estou aprendendo aos poucos, sabe? Quando tenho medo de algo por ser difícil, começa a me dar ansiedade e nem que eu queira consigo fazer o que preciso, é horrível. E isso me afeta MUITO atualmente.
    Sobre pânico eu só sei como é mais ou menos ter um porque a tia de uma amiga minha tinha e me contou a sensação. Eu fiquei assustada e pensei: “como uma pessoa consegue viver desse jeito?”. Portanto o que eu mais desejo é que você se recupere e fique bem. To mandando uns abraços aqui do Brasil, rs. Beijo!

    Responder

  • Dai Castro em 13.03.2017

    Eu também sofro de ansiedade e sei como esse sentimento afeta a nossa vida como um todo. Inclusive, já tive ataques de pânico no cinema, mas de alguma maneira consegui enfrentar isso e de lá pra cá, nunca mais isso me ocorreu.
    Acho que, no seu caso, há tantas mudanças acontecendo e junta também toda a expectativa que isso traz. Mas, com certeza, tem sido uma experiência maravilhosa na sua vida! Estou adorando acompanhar <3
    Beijos :*
    Colorindo Nuvens

    Responder

  • Nadine Granad em 13.03.2017

    Oi, Bela!

    Embora nem sempre comente, sempre leio os blogs que sigo!… Afinal, sinceramente, sigo porque encontro-me de alguma forma neles, não por esse marketing que é feito em torno de “entrar ou não na blogosfera”… Inclusive meu blog nasceu da necessidade de desabafar, já que respiro poesia, não da necessidade de ter um zilhão de seguidores e viver disso…
    Enfim, tudo isso para dizer que entendo o que esteja passando e estamos juntas!… Acredito que na nossa vida passamos por vários testes, além disso, há muitas pessoas que encontraram abrigo nas suas linhas e por isso sentem falta dos seus escritos (eu, inclusive)…
    Sem dúvida é mais fácil “falar”… Torço para que continue a cantar, ler, limpar e escrever… E que lute contra pensamentos que por ventura queiram deixá-la para baixo… Quem manda em sua mente é você!

    Beijos =)

    Responder

  • Kari em 13.03.2017

    Tive dois ataques de pânico na minha vida e, nossa, é desesperador, aquele tipo de coisa que a gente não deseja para ninguém. Fico muito feliz que você tenha alguém tão companheiro do seu lado, porque, como não tem bem uma forma de remediar, alguém para confortar e nos compreender é a melhor coisa nesse momento <3.
    Minha residência permanente custou a sair também, e penso da mesma forma que você; como será que tem gente que consegue ficar só em casa a vida toda? :O
    Beijos!

    Responder

  • hellz em 13.03.2017

    BELLA

    eu também costumava achar que essas coisas só aconteceriam com os outros e jamais comigo: até que o diagnóstico veio.
    Eu sei como essa sensação de morte é horrível, dilacerante e como ela suga um pouco da nossa alegria temporariamente, bem tipo um dementador. Mas saiba que é possível uma vida após isso. Eu tô aqui e há mais de 3 anos não tive nenhum ataque. E hoje tô de boas e quero muito que pessoas como você, lindas, legais, amorzinho e que estão passando por essa coisa tensa, se sintam abraçadas e saibam que vai ficar tudo bem sim!

    Não hesite em falar comigo caso você tenha dúvida, indagação, questionamentos sobre o universo ter escolhido você pra passar por isso e enfim. Ou chame também só se precisar de alguém que te diga o quanto você é forte, badass e maravilhosa! (tenho certeza que o antti já deve providenciar isso, mas tô aqui pra reforçar também *-*)

    um beijo cheio de luz e good vibes aqui do BR pra o meu abor tatuado e, agora, quase finlandesa!

    Responder

  • Marilda Blasse em 13.03.2017

    Bela, sei bem o que você tem sentido, mas a boa noticia é que eu também sei que isso passa, e que é verdade tudo vai ficar bem, acredite.
    Em 2013 mas precisamente nas minha férias na Disney, desencadeei dentro de um brinquedo a minha primeira crise de pânico, foi assustador, eu achei que ia morrer, e não fosse meu marido e meus filhos estarem junto de mim e me acalmar eu acho que teria sido muito pior, eu precisei respirar fundo para não estragar as férias que sonhei minha vida toda. Depois dessa crise meu maior medo foi entrar no avião para voltar, porque eu percebi que minha crise podia ser desencadeada em lugares fechados, onde na minha mente parecesse que estivesse sufocando, meu truque foi sentar no corredor e não olhar para a janela, foi difícil mas consegui, ai achei que era so trabalhar minha mente, e foi então que percebi que até os abraços mais apertados me tiravam o folego, e então fui atras de informação, e foi na net que lendo a respeito que eu consegui algumas dicas de como controlar essas emoções, eu tive mais duas crises depois da primeira, com intervalos grandes entre elas, mas eu ja sabia do que se tratava então eu simplesmente conversava comigo mesmo, saia de perto das pessoas, ia na janela ou sacada olhava pra cima respirava fundo e esperava que as sensações de morte passassem, e elas passavam, elas duram pouco minutos, mas para nós parecem horas. agora eu tento controlar meus pensamentos e quando vejo que ha algo que pode ser um gatilho eu evito, meu teste foi no fim de 2014 quando precisei entrar em um avião de novo, fui no corredor e correu tudo bem, minhas táticas tem servidos para mim. Mas vivo em contante alerta, não gosto de lugares fechados, fiquei sem subir em elevadores por meses, e ainda hoje quando encano, vou de escada. Não gosto de me sentir presa, não gosto que meu nariz entupa, enfim, nada que me de a sensação de que o ar esta faltando. Muita gente me pergunta, se era meu sonho ir pra Disney e bla bla bla, como foi que la eu tive a primeira crise, eu não sei explicar, só sei que foi de repente, foi um simulador de nave, e talvez as mudanças imitando a gravidade possa ter mexido, mas eu sei que o que pode ativar mesmo e a sensação de estar presa, seja num simples abraço ou dentro de um quarto sem janela. O segredo esta em como a gente enfrenta isso, e como aprendemos a verificar o que pode ser o gatilho que ativa as crises, entendendo o que te traz as crises fica mais fácil de controlar, hoje faz dois anos e meio que eu não tenho nenhuma crise, e não pretendo ter mais nenhuma, mas tenho ciência de que isso não esta muito no meu controle, o que esta é a sabedoria em identificar o que me pode ocasionar. Fique bem, mentalize coisas boas, evite o que te deixa triste… e no fim tudo ficara bem! bjucas!!!

    Responder

  • Letticia Gabriella Carvalho em 13.03.2017

    Eu acho incrível a coragem e determinação que você teve de ir para a Finlândia e mudar tudo o que você ia fazer e acabar nessa configuração atual, com alguém que você ama e que te faz bem <3 Isso é demais! Mas, todas as mudanças vêm com uns desdobramentos né, e alguns a gente nem gosta tanto assim. Mas vai ficar tudo bem <3

    Responder

  • Bianca em 13.03.2017

    Oi Bela, sobre suas crises, eu sei que é difícil falar sobre o assunto especialmente quando tem gente que acha que é frescura ou loucura, mas eu sei que é algo real e que incomoda, atrapalha sua vida e foge do controle, né? Mas eu queria te propor uma terapia diferente e que se você tente, vai que dá certo? haha Então, não sei se você acredita em Deus ou em algo maior, mas já tentou orar? Mesmo antes de acontecer. Orar eu vejo como uma forma de desabafar com Alguém que quer e pode te ajudar e te curar de toda e qualquer dor, seja interna ou externa. E quando a nossa mente sofre tanto que o corpo padece, acho que isso é uma ótima válvula de escape, funciona muito comigo! E vou te dizer, melhor que qualquer remédio e parece que você tirou 1 tolenalada das suas costas. Sei lá, eu não consegui sair daqui sem dizer isso. Espero que de alguma forma isso te ajude. Beijos ♡ xoxo, Blog B de Bia

    Responder

  • Kemmy Oliveira em 13.03.2017

    Hey! Não sabia que morava na Finlândia. Parece um lugar bem legal. Também não sabia que tinha crises de ansiedade – mas isso eu sei que não é NADA legal. E não entendo como conseguem romantizar esse tipo de merda. Só posso desejar que fique bem, pois sei que palavras não ajudam muito (pelo menos não me ajudam :/)
    Enfim, batata ♥ não sei se você tem posts aqui mostrando o lugar onde mora mas seria legal ver 🙂 quando você estiver inspirada, claro.

    Beijos!

    Responder

Translate »