27.04.2017

Comprar coisas não vai te deixar feliz 🤷

“Nós compramos porcarias que não precisamos – com dinheiro que não temos – para impressionar pessoas que não gostamos.”
Nos últimos posts, você pode ter percebido como tenho me desapegado de coisas do passado e também de vontades (gastos).Muitas pessoas compram coisas porque acham que se vão sentir melhor com elas próprias, que vão ser mais felizes com aquele objeto. Compram compulsivamente para se sentir mais confiantes ou para impressionar alguém.

A verdade dura é: Os objetos não nos fazem mais felizes. Até nos pode dar uma sensação de felicidade mas essa sensação é temporária e com o tempo desvanecerá.

Comprar bens materiais nunca vai satisfazer-nos completamente, nem trará a felicidade. Às vezes, até trará exatamente o contrário: frustração e mais preocupações.

Decidi compartilhar com vocês alguns pensamentos que vem em mente quando, por um segundo, penso em comprar algo que não preciso – de momento ou pra sempre.

Comprar coisas não vai te deixar feliz

  •  Todos os objetos acabam. Todos os bens materiais são temporários por natureza. Seu prazo acaba, estragam-se ou acabam. Parecem sempre muito bonitos nas lojas, mas mal chegam a casa, começa o seu processo de deterioração.
  •  Há sempre algo mais novo e mais atual. Novos modelos, novas funcionalidades, melhoramentos… O mercado está constantemente a mudar e a crescer,influenciando-te a pensar que seu objeto está ” passando da moda” e que você precisa de um novo para manter-se no padrão.
  •  Cada compra traz uma preocupação extra às nossas vidas: Cada vez que compras um objeto, inclusive os mais caros, vem a preocupação se este se estraga, se é perdido ou se é roubado.
  • Os objetos requerem manutenção. Todos os bens que possui exigem energia, tempo e foco. Precisam de ser limpos, arrumados, reparados e organizados. E, como resultado, tiram-nos mais tempo e impedem-nos de concentrarmo-nos naquilo que é realmente importante: a vida que está acontecendo.
  •  As tuas coisas não te definem. Ter uma televisão melhor do que o do vizinho ou um armáriocom mais roupas da moda não te torna melhor que ninguém. Ter uma casa boa não faz de ti uma boa pessoa. As coisas que possuis não te definem. Portanto, só deves comprar aquilo que realmente precisas, não compres nada para fingir que é outro tipo de pessoa ou que tens determinado estilo de vida.
  •  Não impressiona ninguém. Muitas vezes, compramos muitas coisas caras para impressionarmos as pessoas, para mostrarmos que temos dinheiro, que vivemos bem e temos bom gosto. E na maior parte das vezes, as pessoas não querem saber, dão-te 5 minutos de atenção, e depois continuam concentradas nas suas vidas, porque no final do dia, todos nós estamos concentrados em nós próprios.
  •  Há sempre alguém que terá mais que você. Também existem pessoas que caem no erro de comprar muitas coisas para mostrar que têm mais que os outros, como se isto fosse uma competição. Olha o que as redes sociais como o Instagram tem feito com nossa mente! No entanto, a verdade é que haverá sempre alguém neste mundo mais rico do que nós e com mais coisas. Ter mais que toda a gente é inútil.

Um filme que recomendo, caso ainda não tenha assistido (ou caso queira prestar mais atenção no recado) é o Clube da Luta (Fight Club).

“Man, I see in fight club the strongest and smartest men who’ve ever lived. I see all this potential, and I see squandering. God damn it, an entire generation pumping gas, waiting tables; slaves with white collars. Advertising has us chasing cars and clothes, working jobs we hate so we can buy shit we don’t need. We’re the middle children of history, man. No purpose or place. We have no Great War. No Great Depression. Our Great War’s a spiritual war… our Great Depression is our lives. We’ve all been raised on television to believe that one day we’d all be millionaires, and movie gods, and rock stars. But we won’t. And we’re slowly learning that fact. And we’re very, very pissed off.”

E você? Já conseguiu desapegar dessa vida moderna ou luta todos os dias contra? Ou gosta da vida moderna? Conta pra mim nos comentários!

  • Nadine Granad em 27.04.2017

    Suas postagens são sempre gostosas de ler!

    Cada vez mais tenho procurado esse desapego…
    Todos os anos, por exemplo, largo um livro em um local público… (BookCrossing, conhece?)… Tinha a mania de não gostar de emprestar, guardar livros que não leria novamente…
    Acredito que levaremos apenas ações e que sejam boas e positivas!…

    Beijos =)

    Responder

  • Bela Maio 31st, 2017

    Já deixei livros no trem, várias vezes xD

    Responder

  • Gabriela Soares em 27.04.2017

    Eu ainda luto pra desapegar das coisas, e tô conseguindo aos poucos! Essa frase do início do post me toca sempre que eu leio porque é a mais pura verdade… Somos pessoas cheias de coisas, mas vazias por dentro, e isso é muito triste. Temos que mudar pra já!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    Responder

  • CAROLINA XAVIER em 27.04.2017

    Nossa super concordo com você, as vezes queremos comprar por exemplo uma roupa para impressionar alguém e acaba que não usamos mais, e gastamos um dinheiro que não temos, tenho que te falar eu tenho que parar de ser consumista e me controlar mais
    beijos https://blogdaxavier.blogspot.com.br/

    Responder

  • Aline em 27.04.2017

    Oi Isa,

    Venho cada vez mais trocando gastar com coisas para gastar com experiências e não posso reclamar da sensação… Ainda preciso melhorar bastante porque eu ainda tenho coisas que não uso para nada, mas que não consigo desapegar rs. Eu consigo todo mês fazer uma limpa e tirar algumas coisas.

    Além disso, mudei minha forma de comprar, sei quando preciso de algo e do que preciso então não fico gastando com coisas desnecessárias!

    Muito bom o texto!

    Um beijo!

    Responder

  • Thayse em 27.04.2017

    Clube da Luta foi um filme que me marcou muito, assisti pela primeira vez com uns 12 ou 13 anos e passei a minha adolescência revendo haha 🙂 Acho que sou uma pessoa bem controlada e pouco consumista, e nunca gasto a grana que não tenho e não me preocupo muito em impressionar, sou bem de boas e só compro coisas que preciso e sei que vou usar muito, mas esse é meu jeito e sei que pra algumas pessoas realmente é complicado e precisa ser feita uma espécie de “reeducação”. Ótimo post


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    Responder

  • Luly em 27.04.2017

    Não vou ser hipócrita e dizer que objetos não me fazem feliz porque fazem… Alguns não só na hora, mas “pra sempre’, mas aí eu acho que nem são mais objetos, são sentimentos e tal.
    Porém tenho também passado por fases cada vez menos consumista. Sabe quando comprar te causa até preguiça? Você sabe que não precisa daquilo, mesmo querendo na hora não vê um real propósito… Isso é tão bom! De fato a frase que você usou no início do post resume o capitalismo, um processo eterno de comprar sem propósito e SEM DINHEIRO muitas vezes a troco de nada…

    Responder

  • Bruna Morgan em 27.04.2017

    O consumismo é uma coisa viciante mesmo, e dá uma falsa alegria momentânea. Eu sentia isso quando era pequena e meus pais me levavam ao shopping, o dia não parecia completo se não comprássemos algo. E quando eu ganhava algo, a felicidade não durava tanto assim. Como eu vim de uma família pobre, tomei noção desde cedo sobre não poder consumir desenfreadamente. Fico me perguntando se eu seria uma pessoa louca por compras se tivesse nascido em uma família com boa condição financeira, talvez sim.

    Responder

  • Bela Maio 31st, 2017

    Tudo depende de como fomos criados. Existem famílias ricas que ensinam o valor do dinheiro e outras não 😀

    Responder

Translate »