17.06.2017

Quem tem amigos, tem tudo

Sempre me considerei uma pessoa que conseguiria viver dias sem precisar ver pessoas.

Na infância, não tive amigos e no comecinho da adolescencia fiz alguns por causa do Escotismo. Depois, me segurei na internet para conhecer pessoas e basicamente 95% de quem conhecia no Brasil, era migo de redes sociais.

Mesmo tendo mais de um círculo social: alguns amigos vinham de shows, outros do Escoteiro, outros dos fakes e outros mais por causa dos rolês no Bairro da Liberdade, conseguia me encontrar sozinha e ficar meses sem querer sair, fazendo da minha diversão ler livros.

Isso tudo até chegar na Finlândia. Nunca pensei que de todos que diziam que gostavam de mim e que a amizade duraria pra sempre, apenas duas pessoas ficaram e todas as outras, falam comigo quando querem algo. Tudo bem, o meu ambiente mudou, a vida deles seguiu e não é sempre que teremos assunto – só no caso com a Aline, que é minha confidente e sempre entendeu minhas fases. 

Aqui eu percebi que quem tem amigos, tem tudo. 

Tentei por um ano sorrir para estranhos, puxar conversa, me adequar no grupo de amigos do Antti. Sem sucesso de fazer amizade. Um fucking ano que meu único amigo real era/é meu marido.

As pessoas aqui são muito independentes, fazem o que querem e se viram como podem s-o-z-i-n-h-a-s. Casais normalmente tem círculos de amizade diferentes e não se importam de estar colados o tempo todo, como no Brasil, que até os amigos de um, viram amigos do outro.

Depois de passar um tempo me adaptando ao círculo social do Antti e vendo que os amigos dele não se interessavam muito em falar comigo (acredite, não é só alegria e rolê quando você muda pra um país novo e que você não fala o idioma!), comecei a deixar o Antti ir sozinho encontrá-los e fui me aproximado dos livros novamente. Isso não é ruim.

A solidão maior começou quando percebi que não tinha família ou amigos pra ter aquelas horas de conversa e que se eu quisesse fazer algo, seria colocar um fone de ouvido e ir caminhar no lago.

-Que triste, Bela :'(

Por um lado, sim.

Por outro, fui me lapidando mais – soy uno diamante ahora. Nos conhecemos melhor quando estamos sozinhos, apenas com nossa companhia.

Graças ao Youtube, brasileiras começaram a me encontrar e conversar comigo. Em especial a Paula, a Amanda e a Maria Clara, que falam comigo o dia inteiro.

Lembrei de como brasileiros tem a facílidade de fazer amigos mas que, independente da nacionalidade, as pessoas tem que estar abertas a conhecerem novas pessoas. Nessas, também me aproximei do marido da Amanda, o Domenic e do melhor amigo dele, Jerry.

A Maria Clara que me liga e passa HORAS comigo no telefone por morar em Helsinki é tipo irmãzinha mais nova no meu core. Adotei já.

E parece que esse é o meu grupinho agora.

O Antti conheceu todos e disse que agora me encontrei em um grupo que vai me fazer bem, quer ele esteja, quer não. E foi aí que entendi a individualidade que precisamos ter em relacionamentos.

Hoje vou dormir na Amanda, vamos ralar a bunda no lago com esses 23ºC e gravar mais vídeos – espero que vocês estejam acompanhando o canal no youtube!

Amigos recentes mas que me sinto próxima e que por agora, é minha única família aqui.

Quem tem amigos, tem tudo.

E é por isso que digo: preste atenção com quem chama de amigo e quando tiver certeza, seja leal á essa amizade. Não destrua isso por dinheiro, homem ou inveja nenhuma. 

Fiquem com algumas fotos dos últimos dias, que não tou dando conta de atualizar o blog e o Youtube ao mesmo tempo mas tudo começará a vir aos poucos, prometo!

 

Assista:

 

Translate »