Categoria "Finlândia"
01.07.2017

Comemoração do Solstício de verão – Juhannus

O Juhannus, que é a comemoração do Solstício de Verão (ou o chamado Mid Summer) é basicamente a nossa comemoração do Dia de São João, 23 de junho.

No Brasil, a tradição de festas juninas e fogueiras é algo que não podemos escapar: desde danças tradicionais na escola até as quermesses na igreja.

Aqui na Finlândia, além de ter a experiência da noite mais longa, em que a noite nunca chega, os finlandêses costumam comemorar próximo á natureza, acendendo uma fogueira, com muito alcool, sauna e pulos em lagos – em temperaturas tipo +10C á +16C. E também na companhia dos amigos e familiares.

Pra quem tá acompanhando o Canal do Youtube, viu que tenho meu squad agora e que mais novidades estão acontecendo.

Os quatro dias que ficamos em Mökki (chácara ou chalé), me renderam uma paz interior e algumas fotos. Não muitas já que preferi ficar na companhia de boas conversas do que com a camera enxergando tudo por mim!

Além de sauna e pulos no lago, de noites jogando Badminton e Kubb (que é um jogo da Era Viking), ida ao campo de golfe pra assistir a mãe do Domenic jogando, caminhar até um despenhadeiro (a Finlândia é muito plana, então cachoeiras e despenhadeiros não são muito comuns) e sentar perto do fogo e se perder entre as chamas as várias horas de conversa rusumiram esses dias.

Tenho certeza que todo ano, terei uma história incrível pra contar – e se você não leu a do ano passado é só clicar aqui A magia do MidSummer .

Pra finalizar o post, deixo vocês com as imagens do meu Solstício de verão – Juhannus 2017!

Bromance moment. 

17.06.2017

Quem tem amigos, tem tudo

Sempre me considerei uma pessoa que conseguiria viver dias sem precisar ver pessoas.

Na infância, não tive amigos e no comecinho da adolescencia fiz alguns por causa do Escotismo. Depois, me segurei na internet para conhecer pessoas e basicamente 95% de quem conhecia no Brasil, era migo de redes sociais.

Mesmo tendo mais de um círculo social: alguns amigos vinham de shows, outros do Escoteiro, outros dos fakes e outros mais por causa dos rolês no Bairro da Liberdade, conseguia me encontrar sozinha e ficar meses sem querer sair, fazendo da minha diversão ler livros.

Isso tudo até chegar na Finlândia. Nunca pensei que de todos que diziam que gostavam de mim e que a amizade duraria pra sempre, apenas duas pessoas ficaram e todas as outras, falam comigo quando querem algo. Tudo bem, o meu ambiente mudou, a vida deles seguiu e não é sempre que teremos assunto – só no caso com a Aline, que é minha confidente e sempre entendeu minhas fases. 

Aqui eu percebi que quem tem amigos, tem tudo. 

Tentei por um ano sorrir para estranhos, puxar conversa, me adequar no grupo de amigos do Antti. Sem sucesso de fazer amizade. Um fucking ano que meu único amigo real era/é meu marido.

As pessoas aqui são muito independentes, fazem o que querem e se viram como podem s-o-z-i-n-h-a-s. Casais normalmente tem círculos de amizade diferentes e não se importam de estar colados o tempo todo, como no Brasil, que até os amigos de um, viram amigos do outro.

Depois de passar um tempo me adaptando ao círculo social do Antti e vendo que os amigos dele não se interessavam muito em falar comigo (acredite, não é só alegria e rolê quando você muda pra um país novo e que você não fala o idioma!), comecei a deixar o Antti ir sozinho encontrá-los e fui me aproximado dos livros novamente. Isso não é ruim.

A solidão maior começou quando percebi que não tinha família ou amigos pra ter aquelas horas de conversa e que se eu quisesse fazer algo, seria colocar um fone de ouvido e ir caminhar no lago.

-Que triste, Bela :'(

Por um lado, sim.

Por outro, fui me lapidando mais – soy uno diamante ahora. Nos conhecemos melhor quando estamos sozinhos, apenas com nossa companhia.

Graças ao Youtube, brasileiras começaram a me encontrar e conversar comigo. Em especial a Paula, a Amanda e a Maria Clara, que falam comigo o dia inteiro.

Lembrei de como brasileiros tem a facílidade de fazer amigos mas que, independente da nacionalidade, as pessoas tem que estar abertas a conhecerem novas pessoas. Nessas, também me aproximei do marido da Amanda, o Domenic e do melhor amigo dele, Jerry.

A Maria Clara que me liga e passa HORAS comigo no telefone por morar em Helsinki é tipo irmãzinha mais nova no meu core. Adotei já.

E parece que esse é o meu grupinho agora.

O Antti conheceu todos e disse que agora me encontrei em um grupo que vai me fazer bem, quer ele esteja, quer não. E foi aí que entendi a individualidade que precisamos ter em relacionamentos.

Hoje vou dormir na Amanda, vamos ralar a bunda no lago com esses 23ºC e gravar mais vídeos – espero que vocês estejam acompanhando o canal no youtube!

Amigos recentes mas que me sinto próxima e que por agora, é minha única família aqui.

Quem tem amigos, tem tudo.

E é por isso que digo: preste atenção com quem chama de amigo e quando tiver certeza, seja leal á essa amizade. Não destrua isso por dinheiro, homem ou inveja nenhuma. 

Fiquem com algumas fotos dos últimos dias, que não tou dando conta de atualizar o blog e o Youtube ao mesmo tempo mas tudo começará a vir aos poucos, prometo!

 

Assista:

 

14.05.2017

Minha permissão de residência na Finlândia saiu!!! 🎇

Residence Permission in Finland based on family ties.

Quase completando um ano (dia 23!) e sete meses desde que demos entrada na documentação para o processo de residencia na Finlândia (baseado em laços famíliares)… Saiu! 🎇🎉🎊

Na última segunda, recebi um envelope com o logo do serviço de imigração e já comecei a me tremer toda.😅

Tinha certeza que era a resposta desse longo processo. Foram vários documentos, perguntas respondidas sobre nosso relacionamento e uma entrevista de 3 horas (cada um, em salas separadas) sobre como nos conhecemos, casamos e vida conjugal.

É um mistério tão grande se será aceito ou não ( e várias histórias que tenho lido na internet sobre pessoas com trabalho, família e estudos aqui, terem recebido resposta negaiva) que começou a me dar esses piripaques todos que vocês tem acompanhado – além da falta de luz solar durante o inverno.

Durante esses 7 meses eu não pude estudar em uma instituição (aplicar para a universidade ou ir em cursos que dão diploma), nem trabalhar por causa da bendita permissão de residência.

Aí me vem as pessoas sangue bom e perguntas ‘Ah, mas é só fazer trabalho informal! Seja autonoma!’ Aqui não existe a possibilidade de fazer uma barraquinha ou vender online seus lanchinhos naturais. TUDO precisa pagar impostos. Até mesmo ao se nominar autonomo, a pessoa tem que ter passado por educação onde aprende o básico de marketing e logistica, por exemplo. 😉

‘Ah, mas dá pra fazer escondido, vai?!’ Não! Eu não entendo muito o ponto de vista dos finlandeses mas eles metem a mão no telefone e ligam pra polícia sobre qualquer coisa. Até sobre a vizinha que jogou fralda da janela, pro gramado do prédio.

E um ponto final sobre isso: não estou no meu país. Não tenho permissão de estar residindo aqui. Ou seja, melhor não apostar na sorte.

Sempre trabalhei e estudei, minha mente está funcionando de um jeito muito louco por não fazer o que sempre fazia.

Mas a tão esperada resposta chegou!!!😱💕

Como tenho feito os videos diários, dá pra ver minhas reações com todas essas coisitas acontecendo. Se você quiser saber mais do meu dia a dia aqui na Finlândia, dá uma olhada no canal!

Pra quem quer saber sobre tooodo o processo da Permissão de Residência na Finlândia, explico aqui, óh:

Ah, e um fato a ser declarado é que mesmo tendo demorado SETE FUCKING MESES, eles me mandaram o cartão com MEU SOBRENOME ERRADO E A ASSINATURA COM O NOME DE SOLTEIRA. LOL LOL LOL

” E á partir de agora, Bela?!”

Agora a Bela aqui começa a ter uma vida. Já me cadastrei no serviço social, que vai me proporcionar acesso á rede de saúde e uns dinheiros para sobreviver aqui enquanto não começo a trabalhar (posso falar mais sobre isso quando eu estiver mesmo por dentro do assunto!)

Me cadastrei no escritório de empregos e cursos daqui, onde vão me encaminhar para um plano de integração á cultura e conhecimentos. Vou estudar finlândes e procurar emprego, basicamente.

Só falta abrir conta no banco. Que por sinal tá sendo uma missão impossível porque os bancos aqui não estão facilitando imigrantes a abrir conta.

Acredita que mesmo com o cartão de permissão, meu passaporte e os documentos do Antti, falaram que eu não posso abrir uma conta sem ter um cartão feito pela polícia falando que sou confiável e real?! 

Talvez seja por isso que esse seja um dos melhores países para se viver nos quesitos organizacional, saúde, educação e segurança, nénom?!

Agora vai! 👐

Página 2 de 9123456789
Translate »