27.12.2016

Sobre sucesso e falhas

Este ano começou com minha vida lá no alto da escada por causa dos dias de energização na praia com as amigas, aí jogou-se no chão de birra e então reergueu-se antes da metade dos doze meses, terminando maravilhosamente. De fato 2016 foi um ano bom pra mim – mesmo com a perda de artistas que envolveram minha infância.

Só que a ideia desse post é mais sobre conversar sobre sucessos e falhas.

Nós, reles mortais, temos mais falhas pra tropeçar durante a vida –muitos dizem- do que sucesso. Quase nenhum. Quase nunca. Parece que temos que alcançar algo invisível aos olhos para que o resto da engrenagem continue a funcionar.

Só que isso depende do ponto de vista.

Você dá duro pelo que quer?

Do fundo do coração responda isso.

Eu tenho crises de ansiedade, que mesmo programando o dia inteiro com coisas para fazer, não consigo ir além de ficar sentada no sofá olhando as árvores sacudirem. Ás vezes, dura dois dias ou mais. Outras vezes, penso em algo que acaba me motivando e chegamos ao outro lado da moeda – minha ansiedade tem dois lados: quando quero fazer tudo ao mesmo tempo e rápido, pra recuperar o tempo perdido. Claro, em menos de 24 horas.

E é aí que eu entro na pira de que não alcanço sucesso por não dar duro. E é aí que eu tenho certeza que entra a maior parte de eu não ter tanto sucesso em certas coisas que ansiava em ter feito.

Sucesso vem de algumas formas: trabalhar duro, ter um toque do cosmos no destino ou ser rico.

Tenho plena aceitação e exercício no dia a dia da lei da atração, já que desde os 15 anos, querendo vir pra Finlândia, sempre que alguém me perguntava o que eu faria quando estivesse aqui, eu responderia ‘sei lá, vou viajar, encontrar o amor da minha vida e me casar…’ ACREDITE, eu sempre respondi isso! E repetindo essas respostas, o que atraí pra minha vida? Exatamente as palavras ditas.

Algumas das grandes falhas que aconteceram esse ano foi estar ajudando em um Grupo Escoteiro. Na fundação dele e ser desmerecida no que fazia, junto com dois amigos só porque ‘éramos muito jovens ‘. A falha foi acarretada por pensamentos negativos de um terceiro, que jorrava péssimos pensamentos.

Sendo a pessoa sentimental, espiritual e energizada que sou, acabou me deixando muito mal em deixar o G.E. no comecinho, não aguentando a pressão de tentar ajudar e não desejarem minha ajuda -sendo o segundo G.E. que acontece algo parecido.

Nesse mesmo momento de falhas consecutivas, decidi fazer a viagem, mesmo sofrendo com a depressão – eu estava em um dos seus auges – por estar desiludida da realidade das escolas, do ensino, dos jovens.

Depois desses dois acontecimentos e com a chegada da viagem, decidi canalizar só energia positiva no meu dia -enquanto falavam ‘e se o avião cair? e se você for assaltada? e se….’ – e com isso, só atraí coisas boas.

Estava conversando com as meninas do grupo Café com Blog com essa necessidade de ajudar os outros, e de ser a luz entre as pessoas de pensamentos negativos.  Muitas pessoas não entendem esse meu jeito. Alguns chegam até a se aproveitar. 

Não tenho metas traçadas para 2017. O mundo gira muito rápido pra que faça com o que eu decida coisas em um estralar de dedos.

Tenho algumas ideias, já mentalizadas na minha mente, de onde quero chegar no ano que vem. Com certa certeza que o futuro é inesperado mas que continuo tendo as rédeas da tal vida que me pertence.

O que tenho feito é me policiar em cada pequeno pensamento que rodeia minha mente para que seja lançado o mais distante possível para que não se materialize, pode ser um pequeno que bosta, esse troço não vai dar certo…

Nem sempre as falhas são por sua culpa mas com certeza o sucesso depende de você!

Antes mesmo de correr atrás, mentalize o que quer, onde quer chegar e de qual forma fará pra acontecer! E aí então, abrace o mundo pois ele é seu e ninguém pode te tirar o sabor maravilhoso da vida.

Sempre pense positivo. Até mesmo pela ideia mais boba que tiver. Cara, o poder da mente é muito maior do que você imagina!

Me diz, o que você fará para diferenciar seu ano de 2017 e alcançar o sucesso merecido?

03.05.2016

Prisão psicológica e positividade

canon-moon-stars-night-75265

Sabe o que é acordar extremamente triste por ser você mesma? É exatamente como o dia começou pra mim. Chega a ser delicado como escolho cada palavra para colocar aqui.

Feminismo, Empoderamento e Sororidade fazem parte das mídias sociais que fico zapeando durante o dia e mesmo assim… Continuo triste comigo mesma, não me aceitando de jeito nenhum. Me sinto burra e estúpida na maior parte do tempo. Quando alguém me elogia em algo, dou alguma desculpa ou me inferiorizo mais ainda.

É óbvio que as causas não são as tais imposições da sociedade. São as imposições que minha mente coloca (sei lá com base em quê). É um puta exercício diário de amor próprio, tal qual eu realmente não consigo aceitar como as coisas ocorrem com meu corpo.

Talvez, com toda certeza, tudo isso seja agravado pela depressão e aquela sensação achar que vou morrer sozinha, que não sirvo pra nada e que sou um peso na vida de todos ao meu redor.

Tenho me trancando em casa, fugindo da vida por estar com medo. Por medo de ter medo em me relacionar (com amigos, carinhas, familiares…)

É um tipo de prisão psicológica que acaba travando todos os outros campos da minha vida, principalmente a profissional.

Por exemplo, sempre acho que o cara não vai se interessar muito por mim quando mostrar que não sou fútil e burra, afinal, mulher não pode ser mais inteligente que o homem, muito menos ganhar mais que ele.Bela Carapinheiro | 2016Faz muito tempo que não paro e me arrumo, pra mim mesma. A minha mente funciona assim: pra que eu faria isso? Pra ele? Não tem ele. Pra fotos? Tem milhares de garotas mais bonitas, mesmo ao natural e com aquele corpo perfeito. Pra mim? Nah… Entrando em uma bagunça mental: além de ser gorda, sou relaxada, preguiçosa e feia.

Posso passar horas entre blogs e canais no youtube de gordas maravilhosas e felizes com seus corpos como a Ju Romano e a Jéssica Lopes mas minha mente -e o bichinho que vive dentro dela- não aceita que eu posso ser feliz sendo eu mesma.

Depois de toda a sensação de solidão escrevendo esse texto, a fuçar blogs e mais blogs á procura de palavras que motivassem o que já sei (e que o maldito cérebro não entende) decidi por me dar uma última oportunidade, unindo-a com o poder da atração.

Tudo isso depois de ver o vídeo da Renata Poskus e como ela age, como ela fala, como ela é mais mulher do que já pensei em ser.

Cada um atraí para a vida o que pensa, o que deseja. Se eu continuar me lamentando de como sou, dos porquês… Viverei em um eterno ódio por algo que terei que conviver para sempre: comigo mesma.

Como primeiro passo dessa atração de positividade, dormirei focada em acordar amanhã simplesmente feliz por ter a oportunidade de ter mais um dia para viver.

Obrigada pessoal, por virem aqui e se tornarem tão especiais para minha vida ♥

Translate »