22.09.2017

Mabon – Equinócio de outono na Finlândia

Outono sempre foi minha estação preferida.

Quando morava no Brasil, era bem na época do meu aniversário. Os dias mais frescos e as chuvas eram marcantes já que é bem difícil ver a mudança da natureza na cidade grande. 

Se você ainda não me segue no instagram, rola uns stories bem legais, viu?! @carapinheiroo

Este é o segundo ano que tenho o prazer de passar por todas as estações e perceber a diferença de cada uma e o outono é lindo de mais aqui na Finlândia

O outono é marcado também pelos dias e noites em mesma quantidade, deixando pra trás as longas noites de verão e caminhando para as longas noites do inverno. 

Isto por que a terra está inclinada em um ângulo reto ao sol e o sol está diretamente sobre o equador. Em latim, a palavra equinócio se traduz em noite igual.

Embora o feriado americano tradicional e tão conhecido, o Thanksgiving, ser em novembro -e que foi alterado pelos presidentes do USA, muitas culturas vêem o equinócio de outono como um momento de dar graças.

É quando você descobre quão bem suas colheitas foram, quão gordas seus animais ficaram e se a sua família poderá ou não comer durante o próximo inverno.

Mabon, (pronunciado MAY-bun, MAY-bone, MAH-boon ou MAH-bawn) é o Equinox de Outono para o povo pagã.

Quase todos os mitos e lendas populares nesta época do ano se concentram nos temas da vida, morte e renascimento. Não é uma surpresa, se você considerar que este é o momento em que a Terra começa a morrer antes do inverno entrar.

Talvez a mais conhecida de todas as mitologias da colheita seja a história de Demeter e Perséfone. Demeter era uma deusa de grãos e da colheita, na Grécia antiga. Sua filha, Perséfone, chamou a atenção de Hades, deus do submundo.

Quando Hades sequestrou Perséfone e levou-a ao submundo, o sofrimento de Demeter fez com que as colheitas na terra morressem e durmissem. Quando ela finalmente recuperou sua filha, Perséfone tinha comido seis sementes de romã, e por isso estava condenado a passar seis meses do ano no mundo subterrâneo. Estes seis meses são o momento em que a Terra morre, começando na época do equinócio de outono.

Existe também a deusa suméria Inanna, que é a encarnação da fertilidade e da abundância.

Inanna desceu ao submundo onde governou sua irmã, Ereshkigal. Erishkigal decretou que Inanna só poderia entrar no mundo dela de maneira tradicional – arrancando-se de suas roupas e poses terrestres. Quando Inanna chegou lá, Erishkigal desencadeou uma série de pragas sobre sua irmã, matando Inanna. Enquanto Inanna estava visitando o submundo, a Terra deixou de crescer e produzir. Um vizir restaurou Inanna para a vida e a enviou de volta à Terra. Ao viajar para casa, a terra foi restaurada para a sua antiga glória.

Mabon é também o nome do Deus Celta galês da juventude e do amor, filho de Modron, Deusa da Terra e a Mãe Divina dos gauleses. Geralmente são estes os Deuses reverenciados neste festival pelos praticantes do Druidismo.

Símbolos 🍂

  • Vegetais do meio do outono, como abóbora, batata e cenoura;
  • Maçãs e qualquer coisa feita a partir delas, como cidra ou tortas;
  • Sementes, nozes e vagens de sementes;
  • Cestas, que simbolizam a colheita de culturas;
  • Foices;
  • Uvas, vinhas, vinho;

Leia também: Imbolc – Equinócio de Primavera // Comemoração do Solstício de Verão // Solstício de Inverno

🍁Como celebrar o Mabon

  • Faça um jantar com pães, nozes, maçãs e vegetais como batata e cenoura;
  • Use cores e decore tudo com vermelho, laranja, marrom e ouro;
  • Ótima hora para simpatias para atrair proteção, prosperidade, segurança, autoconfiança, harmonia e equilíbrio;
  • Faça vinho;
  • Reuna e prepare ervas secas;
  • Caminhe na floresta;
  • Adorne com folhas, galhos e pinhos para honrar aqueles que passaram;
  • Doe alimentos; 
  • Colha suas próprias maçãs;
  • Faça uma lista de agradecimentos por tudo que você é grato;
  • Aproveite a noite – Sem escuridão, não há luz. Sem a noite, não pode haver dia;
  • Faça um Outono Bucket List, como fiz no último post; 
  • Energize-se pelos alimentos, palavras e companhias; 
  • Faça trabalhos manuais com coisas da natureza.

Além de passear pelo meu bairro, que é cheio das árvores Canadenses (Maple Tree), passei na bibilioteca e encontrei esse livro mais amor do Moomin. SYYSRETKI – Viagem de setembro (Syyskuu é setembro em Finlândes) // Eläimet Valmistautava Talveen (Os animais estão prontos para o inverno

Você conhecia essa celebração? O que achou dela? Conta pra mim nos comentários!

Vou deixar para vocês a Roda do Ano, caso queiram comemorar os próximos Sabbath’s, assim como eu!

Leia também: Imbolc – Equinócio de Primavera // Comemoração do Solstício de Verão // Solstício de Inverno

Retirado do site http://www.santuariolunar.com.br/p/calendario.html

03.02.2017

Imbolc – Equinócio de primavera na Finlândia

Depois que fiz o post sobre o Solstício de Inverno (Yule), contando sobre o dia mais escuro do ano, continuei a ler sobre a Roda do Ano e as comemorações pagãs que enaltecem os Deuses da natureza.

No dia 2 de fevereiro é comemorado Imbolc, o equinócio (momento em que o Sol, em seu movimento anual aparente, corta o equador celeste, fazendo com que o dia e a noite tenham igual duração) da primavera.

O Imbolc ocorre seis semanas após Yule, simbolizando a recuperação da Deusa após o parto da criança solar. Na igreja Católica, a Deusa Brighid foi cristianizada como Santa Brígida e seu santuário foi transformado em um mosteiro de monjas.

Brighid ou Bride (pronuncia-se Breed), é uma Deusa Tríplice, regente da Inspiração (arte, criatividade, poesia e profecia), da cura (ervas, medicina, cura espiritual e fertilidade) e da Metalurgia (ferreiros, ourives e artesãos). Por ser uma Deusa do Fogo, era homenageada com fogueiras, rodas solares, coroas de velas e rituais que despertavam o Fogo Criador.

Esse Sabbath, cujo nome significa “apressar-se”, e apesar de estamos no auge do inverno, celebra o aumento da luz e a derrota do inverno. Na véspera, todos os fogos e luzes eram apagados para serem reacesos, ritualisticamente, com as brasas das fogueiras dedicadas a Brighid.

Neste dia, com a comemoração do Disting, os povos nórdicos “enterravam” a negatividade e as agruras do inverno, acendendo fogueiras nas encruzilhadas e purificavam a terra, salpicando sal e cinzas sobre ela.Não saímos para acender uma fogueira mas nessa noite, mantive a casa cheia de velas acesas e quando fui dormir, joguei um pouquinho de sal nas chamas para apagá-las.

Ontem, saí para caminhar pelo bairro e vi fitas e cachecóis pendurados pelas árvores, o que foi algo muito legal pois em alguns lugares da Grã Bretanha e Irlanda as pessoas ainda fazem isso também!

O festival é marcado pelo nascer das sementes, de novos planos e projetos, pela aceleração e renovação das energias, pela iniciação em caminho espiritual ou em novas oportunidades, pela purificação ou pela preparação para realização.

Toda essa atmosfera gerou em meu cérebro um vibração tão gostosa, que tenho certeza que a Deusa está influenciando todos meus pensamentos e abraçando o meu caminho espiritual.

Tradições: durante o Imbolc, que no pôr-do-sol, acender todas lâmpadas das casa – mesmo que por alguns minutos. Até mesmo uma vela em cada cômodo da casa em honra do renascimento do Sol. Outra ideia é que se tiver neve lá fora, caminhar e relembrar o calor do verão e com sua mão projetora, traçar a imagem do Sol na neve (mas a neve derreteu por aqui, aí o chão congelou e voltou a nevar, ou seja, está tudo escorregadio e a neve não está mais fofinha).

Comidas apropriadas para a celebração: pratos com cremes ácido são bons, assim como comidas picantes e encorpadas como curry ou sopas feitas com pimentas, cebolas, alho ou cebolinha. Vinho com pedaços de laranja ou uva passa também são tradicionais.

Comemoração e motivos para fotos são comigo mesmo!

Você conhecia essa celebração? O que achou dela? Conta pra mim nos comentários!

Vou deixar para vocês a Roda do Ano, caso queiram comemorar os próximos Sabbath’s, assim como eu!

Retirado do site http://www.santuariolunar.com.br/p/calendario.html

21.12.2016

Solstício de inverno na Finlândia (Talvipäivänseisaus)

Acordei sabendo o momento importante para os pagãos, que eu teria a oportunidade de vivenciar por estar no Hemisfério Norte: o Solstício de Inverno na Finlândia (ou Yule).

Com as fotografias lá no instagram (@carapinheiroo), vocês podem perceber como estou mais próxima da natureza e curtindo por tê-la a cada canto que eu olhar. E logo pela manhã, indo resolver algumas coisas no Consulado do Brasil em Helsinki, postei uma foto falando do Solstício de Inverno. Recebi DM‘s pedindo pra explicar o que é e aqui está o post ❣❣❣

O que é o Solstício de Inverno?

É a data que marca a noite mais longa do ano, como vocês podem ver na foto do aplicativo de clima aqui na região:

É o auge do inverno, o ponto culminante da escuridão. Alguns sites dizem que é o clímax do frio mas hoje tava até um clima agradável aqui em Tampere (2ºC). Como em todo apogeu também marca o início da Decadência.

A escuridão entra em decadência e temos então o retorno da luz. A noite começa durar menos gradualmente,  até que no solstício de verão,tudo se inverte na balança que determina o equilíbrio da natureza. A união do Sol (masculino) com a Terra (feminina) é o milagre do renascimento e a preservação da vida.

Yule significa “Natal” (mas é mais comum falarem Joulu) em finlandês“Roda” em noruguês.

Yule é a época do Solstício de Inverno, quando o Deus- Sol renasce do útero da Noite, a qual é uma imagem do retorno da nova vida através do amor dos Deuses.

Os escandinavos tem um Deus chamado Ullr, que dentro da tradição nórdica, é considerado o Ano Novo.

Existe algum costume do Solstício de Inverno (Yule) na Finlândia?

O Solstício de Inverno (Yule) também é conhecido como o Festival das Luzes, por todas as velas acesas nessa noite. 🕯🕯🕯

 Os muitos costumes associados ao Solstício de Inverno são todos pagãos, o que é uma nomenclatura incomum de se encontrar pela Finlândia mas como todo costume -que ás vezes nem sabemos porque nossa família tem um costume ou outra – tipo fazer Manjar dos Deuses no Natal – tem quem acenda velas, decore árvores e faça bolos comemorativos, decora a porta de casa com guirlandas feitas com galhos, pinhas e folhas recolhidas direito da natureza e até troca de presentes.
Aqui em casa decidimos acender algumas velas, fazer chá de frutas vermelhas e comer Korvapuusti (um tipo de bolinho de canela).
Aproveitei e tirei algumas fotos para deliciar seus olhos e sua mente após conhecer um pouco mais sobre o Solstício de Inverno. ❤
Você conhecia essa celebração? O que achou dela? Conta pra mim nos comentários!
O tema de hoje do BEFA “Gratidão pelo Natal” não precisou nem ser citado por motivos de que este é meu primeiro Natal na Finlândia, com meu marido💕 e estou tendo toda a oportunidade de estar cada vez mais conectada com a natureza.
Translate »