28.06.2016

Experiência de intercâmbio pelo Workaway (é confiável?)

workaway é confiável?

Com meu vídeo explicando O QUE ESTOU FAZENDO NA FINLÂNDIA que foi feito meio sem roteiro e eu soltei várias informações ao mesmo tempo… Muitas pessoas pediram para eu explicar melhor como funciona esse tal site de voluntariado que é o Workaway.

Primeiramente, conheci o Workaway procurando por outras possibilidades de sites além do Worldpackers que tem o mesmo intuito: fazer com que você encontre lugares PELO MUNDO que você pode trocar uma ajudinha por acomodação, dessa forma, fazendo sua viagem sair mais barata.

O Workaway tem um filosofia simples: Você pode trocar algumas poucas horas de trabalho honesto (com coisas que você sabe fazer tipo trocar um lençol de cama ou passear com os cachorros em troca de comida e acomodação, e claro, a oportunidade de aprender sobre o modo de vida do lugar e da comunidade, com amigáveis hosts – que são as pessoas que vão te receber.

Atenção: O site NÃO É UMA AGENCIA DE VIAGENS. Eles só fazem a mediação entre você e os possíveis HOSTS.

  • Existem mais de 22.243 HOSTS em 155 países pelo mundo

Passaport is home

” Lar é onde seu passaporte está. “

Tá, e como eu faço pra usar esse site? 

Apenas fazendo uma conta, com todos seus dados pessoais você poderá ver e salvar todos os hosts mas não poderá se comunicar com eles. Para que seja um site mais sério  e sem perigo que você caia em algum tipo de armadilha, o Workaway cobra um valor de 30 EUROS – 114 REAIS para que consiga mandar mensagens e aí sim planejar sua viagem.

O que eu acho justo o valor pago pelos viajantes mas que achei uma puta sacanagem os HOSTS não pagarem nada para terem seus perfis lá. Então tome muito cuidado, converse muito com eles, com pessoas que já estiveram lá, veja sempre se é um lugar recomendado por muitas pessoas… Eu passei quase 3 meses conversando com os Hosts antes de finalmente chegar lá.

Isabela Carapinheiro profile on Workaway

Basicamente esse é o meu perfil visto pelos hosts que entro em contato

Lembre-se que você planejará todo o resto: passagens, como chegar até o lugar (alguns hosts se oferecem para te buscar), visto para o país (se necessário), dinheiro para alimentação nos dias de folga, para os passeios…

Falando em valores

Para vir para a Finlândia:

  • A passagem fora de temporada custa em torno de 2,300 reais,
  • Não precisa de visto se for ficar menos de 90 dias,
  • Você tem que ter o valor equivalente de 45 EUROS por dia que quiser ficar no país (essa é a média que eles acreditam que uma pessoa vá gastar por dia em alimentação, transporte e acomodação).

Após essas contas e abrindo o cofrinho, você tem que LER AS LEIS TRABALHISTAS DE CADA PAÍS já que alguns tipos de TRABALHOS não podem ser considerados VOLUNTÁRIOS.

-Como assim?!?!!

Existem países como o Estados Unidos que NÃO É PERMITIDO FAZER SERVIÇO VOLUNTÁRIO LIGADO Á CRIANÇAS. E eu vi muitos hosts da terra do tio Sam pedindo para que você ‘ajude’ com as crianças e aí você tem seu quarto e comida. Isso é TRABALHO de AuPair/Babá e eles não querem pagar as taxas governamentais nem um salário para você, captou a mensagem? Conheci uma pessoa pelo Workaway que foi para o USA nessa de ajudar com crianças, o combinado era de 5 horas por dia e no final ele passou quase 10 horas por dia cuidando delas!

Da mesma forma na Finlândia (e o motivo de eu ter saído da casa dos hosts) era que eu tinha combinado trabalhar 5 horas por dia e estava ficando mais do que isso trabalhando. Fora que eu ficava sabendo pela manhã que dia ‘seria minha folga’ ou seja, não conseguindo planejar nada útil para o dia.

Foi aí que descobri que aqui, quando você tem uma empresa, não se pode ter alguém trabalhando de graça. Eu estava ‘ajudando’ em um HOSTEL que tinha um empregado que recebia um salário e eu não. Regra é Regra e quando falei que viria morar com meu namorado, os hosts disseram NÃO. Ainda bem que descobri tudo isso em uma semana.75 anos iguais

” Não viva o mesmo ano 75 vezes e chame isso de vida. “

Acredito que nem todos os HOSTS que estejam lá querem serviço ESCRAVO.

Entrei em contato duas irmãs que moram em Salo, uma cidadezinha pertinho de Turku, para ser meu plano B caso algo desse errado no hostel (e porque eu não tinha conhecido meu namorado ainda kkk). O que elas querem em troca de você ficar lá e comer com eles? Que você passeie meia hora com os cachorros delas. O resto do dia você pode fazer o que quiser e será tratado como parte da família. Está em meus planos ir lá visitar elas logo logo ♥Isabela Carapinheiro

Confesso que mesmo parando e pensando sobre essa ideia do trabalho escravo e leis… Não vejo como uma forma ruim e não confiável já que foi a forma mais fácil de eu ter o primeiro acesso ao país. 

Nunca se prenda a algo que não está te fazendo bem. Se você está em algum host e não está gostando, simplesmente caia fora! Existem pessoas boas por todo o mundo! Faça mais contatos pelo Workaway. Vá para outro país.

E eu faria tudo novamente 😀

Para finalizar o post: O SITE WORKAWAY É CONFIÁVEL, VOCÊ É QUE DEVE TOMAR TODAS AS PRECAUÇÕES COM O LUGAR QUE VAI, FAZENDO CONTATO POR SKYPE, FACEBOOK, WHATSAPP DIÁRIAMENTE COM OS HOSTS.

Se você tiver mais alguma dúvida não respondida aqui em cima, deixa um comentário aqui em baixo que eu atualizo o post 😀 😀

19.06.2015

Departamento do bem | Fazer cócegas é tortura

Aqui começo mais uma seção do A Bela, não a Fera que se chama Departamento do Bem, onde postarei ajudas para quem quer ser voluntário, quer ajudar o mundo mas não pode simplesmente abandonar tudo e ir pra outro país ajudar países em Guerra.
Existe um tipo de voluntário que é aquele de pijamas, que compartilha, assina petições… Que ajuda – E MUITO.

Departamento do Bem 1

  • Fazer cócegas é tortura

Muitas pessoas já viram o vídeo que virou viral do Slow Loris (sem tradução) – que é um primata americano e que é venenoso – recebendo cócegas e erguendo suas patinhas. Parece muito fofo. SÓ PARECE.
As cócegas são um tipo de tortura para esse bichinho e ele ergue as patinhas para se defender e depois desses vídeos, os Slow Loris começaram a ser caçados para virarem animais de estimação de uns sem-cérebro por aí.

Além de assinar a petição (só nome e email), você pode ajudar fazendo uma doação, comprando uma camiseta E DIVIDINDO COM O MUNDO – assim como estou fazendo nessa postagem.

“Eu me comprometo em NÃO apoiar e incentivar o comércio ilegal de Slow Loris. Eu não vou compartilhar ou dar like em qualquer foto/vídeo que mostre um Slow Loris sendo mantido como animal de estimação e, se possível, comentarei sobre a tortura para as pessoas. Ajudando o Resgate Internacional de Animais a expor a verdade sobre os Slow Loris. “

Departamento do Bem 2

Eu me comprometi. E vocês? Leva só 5 minutinhos ♥

Imagens e vídeo retirado do próprio site: http://www.ticklingistorture.org/

Departamento do Bem 3

Esse post faz parte da seção Departamento do bem, do Blog A Bela, não a Fera.
Estão convidados a participar e fazer publicações quem desejar semear o bem, não só Escoteiros.

Translate »